Qual a diferença entre a impermeabilização rígida e flexível?

//Qual a diferença entre a impermeabilização rígida e flexível?

Qual a diferença entre a impermeabilização rígida e flexível?

Você sabia que existem dois tipos de impermeabilização e que entender suas diferenças e utilidades pode fazer toda a diferença em sua obra?

Afinal de contas, a impermeabilização é uma etapa extremamente necessária em construções, pois ela protege dos danos provocados pela ação da água e umidade, que, como sabemos, podem causar sérios problemas ao concreto.

Existem, portanto, dois tipos de impermeabilização — a rígida e a flexível — que, basicamente, se diferem por conta dos tipos de locais em que devem ser trabalhados, além dos materiais a serem empregados.

Vamos entender os detalhes neste post!

O que é a impermeabilização rígida?

A impermeabilização rígida é aquela indicada para estruturas que não ficam expostas ao sol, pois, como o próprio nome explica, a variação térmica pode provocar movimentações que o sistema não conseguiria suportar.

Trata-se, portanto, de uma técnica que utiliza aditivos químicos e agregados em lugares que não estão sujeitos a movimentações, e, portanto, a fissuras, como é o caso dos seguintes locais:

  • Reservatórios De Água Enterrados;
  • Piscinas Enterradas;
  • Subsolos;
  • Muros De Arrimo;
  • Poços De Elevador;
  • Silos;
  • Moegas;
  • Galerias Enterradas E De Barragens.

Um cuidado importante que se deve ter na impermeabilização rígida é a correção de possíveis falhas na estrutura antes da aplicação dos materiais. O local não pode ter trinca ou vazios de concretagem.

Por isso é que quando se impermeabiliza uma piscina, por exemplo, antes de tudo ela deve ser cheia de água para revelar falhas estruturais para a devida reparação.

Quanto aos materiais, a impermeabilização rígida utiliza aditivos químicos misturados a argamassas, e, até mesmo, misturas aplicadas como uma pintura, que forma um revestimento impermeável, tais como: resinas epóxi, argamassas impermeabilizantes, cimentos poliméricos e cristalizantes.

E o que é a impermeabilização flexível?

Bom, ao contrário da impermeabilização rígida, a impermeabilização flexível é capaz de acompanhar as variações térmicas e suas consequências, como as dilatações e contrações das estruturas.

Ela, portanto, está indicada para lugares sujeitos a movimentações, vibrações, trincas e variações de temperatura, pois seus materiais trabalham como uma membrana de proteção que evita a infiltração da água. São exemplos de locais:

  • Varandas;
  • Jardins e Floreiras;
  • Lajes;
  • Terraços;
  • Calhas com grandes dimensões;
  • Piscinas apoiadas ou suspensas;
  • Reservatórios de Água Superiores;
  • Pisos Frios, como os de Áreas de Serviço, Cozinhas e Banheiros.

Os materiais da impermeabilização flexível são encontrados, de forma geral, na forma de mantas e de membranas. Esses materiais são feitos à base de elastômeros e polímeros, sendo que podem ser aderidos e moldados ao ambiente.

Exemplos de materiais encontrados no mercado são as mantas asfálticas; as mantas de PEAD, de PVC e de EPDM; as resinas acrílicas; as membranas de poliuretano; e as membranas asfálticas que são moldadas no local.

E então, viu que as diferenças entre os dois tipos de impermeabilização são bem simples de serem entendidas? A dica, portanto, é você investir em materiais de qualidade e contar com profissionais devidamente capacitados para essa tarefa.

Compartilhe esse artigo em suas redes sociais para ajudar aos amigos que também estão passando por construções e reformas. Até a próxima!

Por | 2018-10-24T16:24:30+00:00 31 outubro 2018|Impermeabilização|